Jornada do Herói

Conheça as aventuras e histórias de quem ousa ir mais além

“Sou feliz vendo os outros felizes 

Sempre atenta e pronta para ajudar o próximo, é assim Ana Cláudia. Natural de Portimão, residente no Montijo e colaboradora no departamento de Recursos Humanos do Continente Vasco da Gama, Ana é um exemplo de solidariedade para todos os seus colegas.

Faz parte do seu dia a dia ajudar várias instituições tanto a nível profissional, como pessoal. No trabalho contacta com instituições como a CERCIMA e a AMI; já na sua vida pessoal apoia os Escuteiros do Afonsoeiro e o Estrela Futebol Clube Afonsoeirense, onde joga o filho. Conta-nos que “a melhor forma de ajudar instituições é através de doações de roupa que já não precisamos e de bens alimentares, bem como através de voluntariado”.

“Ajudar está-me no ADN”

Toda a ajuda é importante, porém, a solidariedade vai mais além da doação de bens materiais. A atenção também se dá e pode fazer toda a diferença na vida dos outros. “Às vezes basta um olhar, um ‘olá’, um ‘tudo bem?’ para ajudar as pessoas com quem vivemos no dia a dia”. Proximidade, atenção e empatia são pilares chave para identificar e ajudar quem precisa.

Sendo trabalhadora da área de Recursos Humanos, Ana destaca a importância de estar sempre (muito) alerta às pessoas que a rodeiam. Para garantir o bem-estar e a motivação dos colaboradores, revela que “é preciso que estes se sintam bem emocionalmente e faz parte do meu trabalho dar essas condições”. “Ajudar pessoas é uma das coisas mais gratificantes do nosso trabalho enquanto Recursos Humanos”, acrescenta.

A solidariedade na educação dos filhos

Ser solidário é um valor que Ana começou a incutir desde cedo na sua família. Quando chega a altura de doar roupas ou brinquedos, os filhos participam e tomam a iniciativa na triagem dos bens que já não necessitam. Também participam, juntamente com a mãe, na recolha de alimentos para o Banco Alimentar, pois “é muito importante para eles saber o que é ser solidário, saber o que é ajudar o próximo”.

Juntamente com a família, já doou movéis suficientes para mobilar a casa de uma amiga, ofereceu um equipamento de futebol a uma criança carenciada do clube de futebol onde joga o filho e, a nível profissional, organizou um cabaz alimentar para ajudar uma colega em dificuldades.

Para além da atenção, Ana também destaca a importância de ajudar sem esperar em troca uma qualquer retribuição. Não é o mérito que a move, mas sim saber que o seu contributo melhorou a vida de alguém.

 

Tome nota!

O Continente orgulha-se de ter colaboradores solidários. Tal como a Ana, muitos outros encarnam verdadeiros exemplos de altruísmo que inspiram a nossa atividade.

Siga o exemplo dos nossos Heróis, comece também a apoiar quem mais precisa e a contribuir para um futuro melhor. Conheça as iniciativas promovidas pela Missão Continente e participe nas inúmeras Missões que temos para si. Divirta-se a construir um amanhã mais sustentável para todos.